Artigos Científicos 2005

Os artigos são de responsabilidade exclusiva de seus autores, não expressando necessariamente a opinião dos editores. Todos os artigos fazem parte da Revista Online Psicologia Corporal, sob o registro ISSN-15160688.
Para ler os artigos, é necessário ter instalado em seu computador um leitor de PDF. Se você não tiver o programa instalado em seu computador, pode fazer o download clicando no endereço:
http://www.baixaki.com.br/site/dwnld71431.htm

2003 / 2004 / 2005 / 2006 / 2007 / 2008 / 2009 / 2010 / 2011 / 2112 / 2013 / 2014 / 2015 / 2016 / 2017 / 2018 / 2019

Escuta, Zé ninguém! e o poder do amor
Autor(es): AFONSO, Rubens

RESUMO
Este artigo traz o desabafo lúcido e corajoso de Wilhelm Reich em seu maravilhoso livro Escuta, Zé ninguém. O livro 0 foi escrito em 1946, é um texto humano, resultado de longos anos de trabalho e experiência, que levaram o autor à consciência de que forma o homem comum se submete ao poder dominador e as conseqüências funesta deste submissão, que leva o indivíduo a um sofrimento profundo. Fala também do amor e de seu poder transformador, quando o indivíduo eleva o seu sentimento mais profundo de fé, podendo sair da condição de Zé Ninguém para viver como um indivíduo saudável e feliz.
Palavras-chave: Amor. Fé. Submissão. Transformação


Um grito de liberdade: de zumbi a Reich
Autor(es): AFONSO, Rubens

RESUMO
Este artigo conta à história de uma luta de libertação através da capoeira, desde a sua origem até os dias de hoje. Fala da condição do negro e da escravidão, e como ele conseguiu sua liberdade através da confiança de que o ser humano pode ser livre. Traça um paralelo com a história de vida e obras de Wilhelm Reich e suas descobertas na área da Psicoterapia corporal, principalmente no que diz respeito aos anéis de couraça, fazendo uma aliança entre essas duas formas de trabalho com o ser humano, podendo utilizar os recursos propostos por Reich na dança e luta da capoeira, buscando a liberdade do corpo e da alma.
Palavras-chaves: Escravidão. Encouraçamento. Trabalho Corporal. Energia. Libertação.


Os segmentos de couraça e os chakras
Autor(es): TAKEDA, Eliane (Harbhajan Kaur)

RESUMO
A nossa felicidade depende, entre outras coisas, do quanto sabemos a respeito de nós mesmos. Na tentativa de buscar essa felicidade nos deparamos com incontáveis caminhos que nos trazem um conhecimento acerca do que é ou do que não é a felicidade. Essas concepções teóricas muitas vezes não passam do plano do intelecto, isto é, a felicidade verdadeira que se conquista pela liberdade não se interioriza no corpo físico. Buscar essa integração do subjetivo com a realidade física tem sido o foco de interesse da humanidade a milhares de anos. No percurso da história, Reich nos traz uma proposta de vivenciar essa felicidade numa realidade física. Ele postulo u que regulando a energia orgânica, através do desbloqueio do que ele chamou de couraça muscular, o prazer à vida, a capacidade de se obter uma potência orgástica, seria resgatada pelo rompimento da estase libidinal. Em termos energéticos essa proposta é semelhante aos ensinamentos do Tantra, mais especificamente, o Tantra-Yoga, que busca através do prazer corpóreo a bem-aventurança espiritual, a felicidade suprema. Este artigo tem como a relação dos Chakras com os segmentos de couraça, principalmente o ocular.
Palavras-chave: Energia. Bloqueio. Couraça. Olhos.


O paciente depressivo sob a ótica da Psicologia Corporal
Autor(es): VOLPI, José Henrique

RESUMO
Alguns pacientes sentem quase que obrigatoriamente a necessidade da medicação, uma atitude que pode ter tomada como substituto da mamadeira e seio materno que foram deficitários. Por isso, mesmo que esta seja a questão, é importante considerarmos essa necessidade para que possamos desenvolver um trabalho conjunto entre a psicoterapia de abordagem corporal e o uso da medicação.
Palavras-chave: Bloqueio. Couraça. Depressão. Energia.


Quando o corpo somatiza os conflitos da mente
Autor(es): VOLPI, José Henrique

RESUMO
Desde a época de Hipócrates acreditava-se que a mente e o corpo influenciavam-se mutuamente. Apesar dessa relação ter sido rejeitada durante anos pela medicina e negligenciada pela própria psicologia, acabou tornando-se uma das mais fascinantes áreas de pesquisa que tem estudado os distúrbios psíquicos e os problemas que estes causam no corpo.
Palavras-chave: Corpo. Couraça. Energia. Psicossomática.


Separações e aproximações no início da vida
Autor(es): VOLPI, José Henrique

RESUMO
O desenvolvimento psico-afetivo de uma criança é um processo regido por movimentos de separações e aproximações, tanto físicas quanto energéticas, que a acompanham desde a fecundação até a maturidade. É a forma conflituosa de como esses movimentos acontecem que repercutem na idade adulta em forma de neuroses.
Palavras-chave: Energia. Início da vida. Neurose.


Os sentidos da vida: do prazer do corpo ao encouraçamento físico e emocional
Autor(es): VOLPI, José Henrique

RESUMO
Do ponto de vista psíquico, nossa vida é estruturada e funciona da seguinte forma: um ID, que vive em busca do prazer; um SUPEREGO, formado pelo moralismo e limites impostos pela vida; um EGO que procura ser o mediador de ambos. Mas há momentos em que essas três instâncias entram em conflito, fazendo com que percebamos um ou mais dos sentidos que damos à nossa vida.
Palavras-chave: Prazer. Corpo. Encouraçamento.


A importância dos primeiros anos de vida na construção do sistema orgonótico de funcionamento da criança
Autor(es): VOLPI, José Henrique; VOLPI, Sandra Mara

RESUMO
Entende-se por sistema um conjunto de elementos entre os quais existe uma relação e que formam uma estrutura organizada. Na informática, encontramos sistemas representados pelos softwares que são programas mestres de computador que controlam a execução dos demais programas. Na anátomo-fisiologia verificamos os sistemas cardíaco, respiratório, hormonal, reprodutor, etc. Na astrologia deparamo-nos com os sistemas solar, estelar… e assim, numa seqüência infinita encontramos muitos outros sistemas que interagem uns com os outros formando “redes de comunicação”.
Palavras-chave: Prazer. Corpo. Encouraçamento.