Psicossomática e Psicologia Corporal – Um olhar Somatopsicodinâmico

Sem categoria

Prof. Dr. José Henrique Volpi

Wilhelm Reich é considerado o pai da Psicologia Corporal, da qual faz parte todas as terapias de base psico-corporais, um título que a ele foi conferido por mérito. Desde sua entrada na psicanálise, em 1920 até seu falecimento, em 1958, Reich sempre se dedicou a relacionar o conflito psíquico ao corpo e à energia. Esse tripé mente-corpo-energia foram, portanto, a marca de todo seu trabalho.

Reich vê o ser humano como uma expressão de energia que ele chamou de orgônio, cuja identidade se expressa por meio da interação mente-corpo. Considera o indivíduo sadio aquele que alcançou a maturidade do caráter genital, Fisiologia Energética e Mapeamento Emocional do Corpo Humano segundo a Medicina Tradicional Chinesa e a Psicologia Corporal, cuja carga energética circula livremente pelo corpo, sem obstáculos.

Dessa forma, em termos de saúde física e emocional, qualquer distúrbio na expressão do livre fluxo do movimento dessa energia, responderá pela formação de uma doença, seja ela física ou psicológica. Da mesma forma, qualquer alteração somática e/ou psicológica nos remeterá à alteração do fluxo energético natural.

Desde a década de 20 Reich já vinha inserindo o corpo em seu trabalho clínico dentro do tratamento psicanalítico. Criou sua primeira técnica de trabalho à qual chamou de Análise do Caráter onde demonstrou que o corpo fala e expressa por meio do caráter o temperamento e a personalidade da pessoa. E a partir dessa compreensão, da leitura corporal do caráter que se faz para conhecer a personalidade da pessoa é que Reich passou a tratar seus pacientes fora do divã, sendo o primeiro psicanalista a modificar a técnica da psicanálise, cujo método tradicional empregava o uso do divã.

Na década de 30, os trabalhos de Reich avançaram ainda mais para essa questão mente-corpo quando identificou a couraça muscular, contração da musculatura decorrente de conflitos emocionais. A couraça, portanto, nada mais é do que a neurose congelada no corpo. Isso é o que se conhece por psicossomática, quando um conflito psíquico decorrente de vários fatores, comprometem o corpo gerando uma tensão como por exemplo, um torcicolo, uma alergia ou até mesmo um câncer.

Com a descoberta da couraça muscular, Reich amplia o nome da técnica da Análise do Caráter para Vegetoterapia caracteroanalítica, incluindo em um só conceito os trabalhos sobre a mente e o corpo. Isso levou-o a perceber que o corpo, em sua linguagem emocional, quando encouraçado retem sua energia em partes específicas, às quais ele chamou de anéis ou segmentos: 

1 – Ocular – corresponde ao sistema nervoso, pele, olhos, ouvido e nariz. 

2 – Oral – corresponde à boca, língua, lábios

3 – Cervical – corresponde ao pescoço e glândula tireoide

4 – Torácico – corresponde ao peito (pulmão e coração)

5 – Diafragmático – corresponde ao diafragma, estômago, fígado, rins, pâncreas e baço.

6 – Abdominal – corresponde ao intestino delgado e intestino grosso

7 – Pélvico – corresponde ao aparelho reprodutor

Alterações do movimento energético, nas fases evolutivas do desenvolvimento somato-psíquico pelas quais o ser humano passa ao longo de sua vida, manifestam-se como bloqueio da energia em um desses segmentos ou anéis, provocando uma estagnação dessa energia na região mais enfraquecida do corpo, respondendo dessa forma pela formação de uma doença que compromete tanto o corpo, como a mente.

Portanto, a doença irá se manifestação naquela região (anel ou segmento) que estiver encouraçado. Com base nesse pensamento, podemos afirmar que o corpo expressa o que a mente sente e a mente expressa o que o corpo sente, ligados sempre pela alteração de um movimento energético.

O primeiro segmento (ocular), é bloqueado na gestação, parto e primeiros dias de vida, em função do estresse do medo. Ameaças de aborto, drogas e outros problemas da gestação, parto prematuro, fórceps, ausência da mãe nos primeiros dez dias de vida, são alguns dos fatores que contribuem para o bloqueio energético desse segmento.  Portanto, esse estresse, que chamaremos de primário, será marcado como uma predisposição a esse bebê, quando na presença de um estresse posterior, que chamaremos de secundário, a desenvolver doenças na parte do corpo correspondente (sistema nervoso, olhos, ouvido, pele, nariz), como por exemplo, a enxaqueca, alguns tipos de alergias, etc.

Um estresse (primário) sofrido durante o período de amamentação irá comprometer o segundo segmento (oral) e propiciará a criança com uma predisposição a desenvolver doenças ligadas à boca (oralidade) e com isso, na presença de estresses secundários, trará a manifestação de doenças como por exemplo, o bruxismo.

E assim sucessivamente com os demais segmentos do corpo mapeados por Reich, ligados sempre a um estresse, um bloqueio energético e um traço de caráter equivalente ao bloqueio.

Na visão reichiana, o ser humano é resultante da boa ou má relação do primeiro campo energético intra-uterino que se estabelece entre a mãe e o bebê (campo fusional-simbiótico), relação essa que se estende para a família (campo familiar), para a sociedade (campo social) e para a natureza e o cosmos (campo cósmico). Portanto, nossa saúde física e emocional irá depender dessa relação energética em cada um desses campos, ou seja, da forma como passamos por cada um deles. E essa relação é que irá estabelecer a formação de nosso terreno biológico que se manifesta em termos qualitativos em quatro terrenos que indicam a predisposição do indivíduo a determinadas doenças.

1 – alcalino oxidado – Se nossa relação com o primeiro campo (fusional), durante o período de gestação, for perturbada, estressante, iremos comprometer a energia e por consequência a saúde física e emocional do bebê, propiciando a instauração de um terreno energético alcalino oxidado, que predispõe o indivíduo à formação de doenças ou acabam sendo um gatilho para desencadear as mesmas, ligadas ao sistema nervoso como parkinson, alguns problemas de pele, obesidade mórbida, etc.

2 – ácido oxidado – Se a perturbação ou estresse ocorrer no período da formação do bebê no segundo campo (simbiótico), teremos a instauração de um terreno energético ácido oxidado, que predispõe o indivíduo à formação de doenças como diabetes, obesidade secundária, alergias, hipertensão, etc.

3 – ácido reduzido – Se a perturbação ou estresse ocorrer no período da formação do bebê no terceiro campo (familiar), teremos a instauração de um terreno energético ácido reduzido, que predispõe o indivíduo à formação de doenças como gastrite, úlcera, angina péctoris, infarto, colites, cistites, etc.

4 – alcalino reduzido – Se a perturbação ou estresse ocorrer no período da formação do bebê no quarto campo (social), teremos a instauração de um terreno energético alcalino reduzido, que predispõe o indivíduo à formação de doenças chamadas somatopsíquicas, que são àqueles onde a pessoa sente algo em uma parte do corpo, como por exemplo uma dor no peito e acredita que está infartando, mesmo que os exames clínicos demonstrem que ela não tem nenhum problema de ordem física.

A Psicologia Corporal não encara a doença apenas no sentido psicossomático (mente-corpo), mas por uma deficiência energética da pulsação do organismo, em decorrência da couraça, seja a doença originada pela mente, ou pelo corpo. É um olhar somatopsicodinâmico.

Dessa forma, por meio da técnica da vegetoterapia caracteroanalítica, Reich demonstrou ser possível resgatar novamente a pulsação da região do corpo onde a doença se faz presente, encouraçada, de forma a permitir a circulação da energia e o alívio do sintoma da doença ou até mesmo sua cura.

A pedido de Reich, a técnica da vegetoterapia foi sistematizada por Federico Navarro que criou uma forma específica, por meio de movimentos criados para esse fim (actings), flexibilizar as couraças e resgatar a pulsação energética do organismo que foi prejudicada ou interrompida pela mesma. Segundo Navarro, a couraça é uma defesa, uma armadura e a vegetoterapia não busca eliminar a couraça, mas levar o paciente a uma tomada de consciência e autogestão da mesma. A vegetoterapia é uma metodologia terapêutica que busca dissolver gradualmente a couraça e não rompê-la bruscamente como acontece em muitas outras terapias psico-corporais. Portanto, é uma proposta de tratamento, que exige um projeto terapêutico individual para cada paciente, que vai ter seu tempo de tratamento de acordo com suas couraças.

Segundo a Psicologia Corporal, para tratar de uma doença psicossomática ou somatopsíquica, temos que trabalhar com a mente e com o corpo, flexibilizando as couraças. Esse seria um trabalho completo e profundo, mas que exige paciência e persistência porque não é apenas uma consulta e sim, um tratamento. 

Saiba mais sobre a Psicologia Corporal, Análise Reichiana e Análise Bioenergética – Clique Aqui